Música sem protecção anti-cópia vende quatro vezes mais

11/12/2007 Sem Comentários por
 

070125_tshirt-equalizador1.jpg

(clica para aumentar a imagem)

O abandono do sistema de protecção anti-cópia DRM está a ter efeitos benéficos na indústria da música digital, de acordo com a britânica 7Digital, uma retalhista online de música.

A 7Digital responsabiliza a EMI por esta mudança positiva, já que a discográfica foi a primeira – e até agora única, já que a Universal ainda está a testar – das chamadas “quatro grandes” a abandonar esta tecnologia restritiva em todo o seu catálogo.

Segundo os dados da empresa, as vendas de faixas sem DRM são já quatro vezes superiores às das que contêm protecção anti-cópia, adianta o “The Register”.

O formato MP3 é o favorito dos clientes da loja online da 7Digital, dado que é compatível com todos os leitores, ao contrário do AAC, adoptado pela Apple, ou do WMA, formato proprietário da Microsoft.

A qualidade de áudio dos ficheiros é outros dos factores que atrai os consumidores, com a grande maioria a preferir faixas codificadas a 320kbits/s. Esta foi, aliás, uma das medidas seguidas pela Apple após a EMI ter disponibilizado o seu catálogo sem DRM no iTunes, aumentando o bitrate das músicas desprotegidas para 256 kbits/s.

Ben Drury, da 7Digital, prevê que «até ao próximo Verão as quatro grandes discográficas terão removido o DRM dos MP3s», afirmou ao “The Register”.

Fonte: The Register

 

A minha opinião:

Se a ganância das editoras não fosse tão desmesurada ao ponto de se ter sobreposto ao mais elementar bom senso, nada disto teria acontecido e o DRM nunca teria existido, para bem da humanidade. Foi graças ao DRM que a Apple conseguiu criar o absoluto monopólio (ainda falam da Microsoft) que tem na indústria de venda de música digital, a vender música digital com fraca qualidade sonora e cheia de restrições de utilização, publicitando-o como se fosse algo extraordinário. O chamado “gato por lebre” e infelizmente só agora é que muitas das pessoas começam a perceber o “barrete” que enfiaram, por terem comprado centenas ou mesmo milhares de músicas com DRM e com baixa qualidade sonora na loja iTunes.

Aparentemente e como era previsível desde o 1º dia da existência do DRM, o seu sucesso estava condenado ao fracasso e finalmente a sua vida está perto do fim.

Finalmente aqueles que sempre lutaram contra um sistema de anti-cópia que apenas prejudicava as pessoas honestas, estão prestes a atingir o seu objectivo: a venda de música digital livre de restrições e sem ser com a baixa qualidade sonora “à lá loja iTunes”.

Para mim esta é uma notícia que me deixa feliz. Venham mais assim.

Música, Notícias
No Responses to “Música sem protecção anti-cópia vende quatro vezes mais”

Leave a Reply