Lider do PSD "apoia" as ilegalidades de subsistência

27/01/2008 Sem Comentários por
 

 

87341-asae

 

Fiquei boqueaberto ao ler a notícia abaixo:

 

PSD: «Só José Sócrates leva a sério a ASAE»

O líder do PSD disse hoje que «só José Sócrates leva a sério a ASAE», num comentário à reacção do primeiro-ministro às críticas do social-democrata Mendes Bota à actuação da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica .

«O país sabe dos excessos da ASAE, parecendo o FBI a actuar em feiras, perante pessoas que não são gangsters de Chicago», disse Luís Filipe Menezes, em Ovar.

«Os portugueses brincam por causa do fundamentalismo e do exagero quase caricato da ASAE e até o Presidente da República brinca. Só o primeiro-ministro leva a sério», comentou.

Luís Filipe Menezes admitiu que alguns comerciantes «até podem estar a violar a Lei», mas criticou que «sejam fechadas pequenas actividades económicas de subsistência por questões menores».

«Todos queremos higiene e segurança alimentar e as actividades económicas fiscalizadas, mas não assim», concluiu.

O primeiro-ministro considerou hoje «absolutamente lamentável» e «inqualificável» a forma «radical» como a oposição está a atacar politicamente a ASAE, sublinhando que com a acção daquele organismo o país e os consumidores estão mais defendidos.

«É absolutamente lamentável os outros partidos enganarem-se no alvo e desatarem a atacar tudo o que mexe, atacarem de forma radical uma instituição do Estado como a ASAE, que está a será atacada como um partido político», afirmou o primeiro-ministro e secretário-geral do PS, José Sócrates.

Sábado à noite, em Castro Marim, o líder do PSD/Algarve, Mendes Bota, comparou a ASAE à PIDE, acusando aquele organismo de perseguir os cidadãos.

«Salazar tinha a PIDE, agora temos uma ASAE, uma polícia que persegue os cidadãos e uma máquina fiscal que persegue as pequenas e médias empresas», afirmou.

Diário Digital / Lusa

 

Citação do texto: (Luís Filipe Menezes admitiu que alguns comerciantes «até podem estar a violar a Lei», mas criticou que «sejam fechadas pequenas actividades económicas de subsistência por questões menores».)

Opinião:

De todo o texto, destaco a frase acima dita pelo inefável líder do PSD e que me fez pensar que se calhar eu deveria ir ao oculista de urgência, pois estaria de certeza a ler mal. Mas depois de a ler e reler, com e sem óculos, tive de tristemente aceitar que a frase é mesmo verdadeira.

Como tal, pergunta-se: será que ninguém explicou ao líder do PSD que as "pequenas actividades de subsistência" de que ele fala, são actividades de subsistência exercidas, muitas delas, de forma CRIMINOSA? E já agora, explique-me: perdoam-se por serem "pequenas" ou por serem "de subsistência"?

Será o Sr. Filipe Meneses a favor de um sistema social sem regras e sem leis, na base do salve-se quem puder e da auto-fiscalização?

Perfilhará ele a máxima do "ladrão que rouba ladrão…"? Quererá ele o Portugal anterior ao Governo do Sr. José Sócrates? É para isso que se vai candidatar a 1º ministro?

Diga-me, Sr. Menezes, poderei eu, à luz do seu raciocínio, manter um restaurante sem condições de higiene e salubridade, pois é a minha subsistência?

Poderei eu andar a vender produtos falsificados sem temer (ou dever temer) ser fiscalizado, só porque dessa actividade depende a minha subsistência?

Irá o Sr. Menezes apresentar à Assembleia da República uma proposta de lei para a liberalização da gatunagem, do compadrio, do laxismo, da negligência, da contrafacção, desde que se prove ser a subsistência de quem as faz?

Irá propor a criação de um regime de excepção para esses "coitadinhos", que em vez de trabalharem honestamente e dentro da legalidade, como eu faço há mais de 21 anos, resolveram ir pelo caminho mais fácil que é roubar, aldrabar e vigarizar (mas, é claro, para a sua subsistência)?

Que mensagem é que acha que está a passar às pessoas pobres, mas que sendo também honestas não enveredaram pelas ditas "actividades de subsistência" que o Sr. defende como legítimas?

Tenha vergonha! Nem em política os fins justificam os meios.

ladrao

Também acho piada ouvi-lo dizer que "todos queremos as actividades económicas fiscalizadas".

Todos?! Todos quem? A verdade é que o seu partido esteve no poder várias dezenas de anos e durante esse tempo todo NUNCA se fiscalizou nada. E então agora que  realmente se está a fazer algo nesse sentido, aparece o senhor, ao melhor estilo do Velho do Restelo, a bradar aos céus que isto é um abuso e que não é admissível!

Em que ficamos, Sr. Menezes? Fiscaliza-se ou não se fiscaliza? É que só conheço essas duas hipoteses. A hipotese velada no seu discurso de "se ir fiscalizando" ou de se "fiscalizar assim-assim", sinceramente não conheço. Ou melhor, até conheço, os seus compinchas de partido utilizaram-a durante décadas com os resultados que…. espere!! Não deu resultados nenhuns, nada era fiscalizado!

A verdade é que, gostem ou não gostem, as entidades, as empresas e as pessoas, têm de perceber que só podem ter uma actividade económica exercendo-a de uma das seguintes formas: dentro da lei ou fora da lei, que é o mesmo que dizer, honestamente ou criminosamente. E as actividades económicas que estão fora da lei, Sr. Menezes, sim, essas, as criminosas… não fazem falta a Portugal.

Enfim… é destas atitudes politicas que nasce o (meu) descrédito na maioria dos politicos portugueses. Quando a sede de protagonismo se sobrepõe ao bom senso e tudo serve de arma de arremesso para fins meramente eleitoralistas, a credibilidade de quem faz afirmações e acusações destas, rasteja por terra.

É por isso que voltarei a votar neste governo nas próximas legislativas, pelo menos este governo tem uma coisa que os distingue de todos os anteriores: fez mais pelo combate à fraude e evasão fiscal, pela consciênca cívica dos portugueses, do que qualquer outro anterior, que, esses sim, era encher os bolsos e bradar à sociedade: "é fartar, vilanagem!".

Força ASAE, continuem o ex
celente trabalho. Enquanto consumidor têm o meu apoio e enquanto cidadão a minha completa compreensão. A bem dizer só se queixa de vocês quem tem telhados de vidro (ou amigos com telhados de vidro).

Há que educar as pessoas de que Portugal vai deixar de ser um paraíso para a vilanagem, por muito que eles berrem e protestem.

 

PS: Sr. Menezes, eduque os seus "boys", porque de facto comparar a ASAE à PIDE, apenas descredibiliza a seriedade e o bom senso não só de quem fez a afirmação, mas mais ainda a "côr politica" que essa pessoa representa. Não que me faça diferença, mas a si deveria fazer. Aliás, tal comparação é até um insulto para todos aqueles que sofreram as agressões da PIDE na própria pele.

Actualidades, Opinião
No Responses to “Lider do PSD "apoia" as ilegalidades de subsistência”

Leave a Reply